• (31) 3057-9300
  • (31) 98315-3579
  • ouvidoria@nucleomg.com.br

Retinopatia Diabética

Responsável pela captação das imagens, a retina é prejudicada quando ocorrem hemorragias ou edemas (inchações), provocados pelo Diabetes. Essa complicação é chamada de Retinopatia Diabética.

Seus sintomas são embaçada ou com manchas. São dois os tipos de Retinopatia: a não proliferativa e a Proliferativa.

  • – Retinopatia Não Proliferativa: as veias da retina engrossam, podem se formar pequenos aneurismas nas artérias, e ocorrer vazamentos para o interior da retina, podendo levar à baixa da visão.
  • – Retinopatia Proliferativa: surgem vasos anormais na superfície da retina. Por serem frágeis, eles se rompem, causando hemorragias que tornam a visão embaçada.

Os exames para diagnóstico são:

  • – Acuidade Visual
  • – Mapeamento de Retina
  • – Retinografia
  • – OCT
  • – Angiofluoresceinografia

O paciente diabético deve controlar a doença e ter um acompanhamento frequente de um oftalmologista. Se o caso for mais sério, um tratamento com laser será necessário – ele vai coagular as veias rompidas, impedindo o aparecimento de veias anormais. Quando o vitreo (parte gelatinosa do olho) está comprometido, o uso do laser não é possível. O procedimento recomendado é a vitrectomia, ou seja, a retirada do material turvo originado pelo vazamento de sangue.

A prevenção da doença está ligada a uma alimentação adequada, atividade física frequente , controle oftalmológico com exames específicos e controle rigoroso do diabetes e doenças associadas.